Volte a ser o que você nasceu pra ser.

No alto da torre ela adormeceu. Esquecida, distante, esperando…

Resgatá-la deve ser a principal batalha do guerreiro.

A torre é alta. Há chuva. As paredes são escorregadias.

Monstros imaginários são tão reais…

No campo tudo é conhecido. Mas a visão da torre incomoda.

Dê-me asas! Clama o guerreiro.

Da janela da torre, ela ri. Não há tristeza, há esperança.

O peso de ser quem não nasceu pra ser esmaga a consciência.

Do alto da torre a alma brilha e ri. Venha me resgatar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *