Dê o exemplo ao seu filho.

É fácil fazer seus filhos estudarem? Eles têm rotina de estudo ou só estudam nas vésperas dos testes e provas?

Tentar fazer um filho estudar é um dos maiores motivos de brigas em casa. Pais tentando mostrar aos filhos a importância do estudo. Filhos dando desculpas. Gritos, broncas, explicações, discussões entre os próprios pais, cada um achando que tem a solução mais adequada… Quem já viveu isso ou conhece alguém que tenha vivido?

Com tantas distrações de fácil acesso: celular, computadores, joguinhos eletrônicos,  televisão… mostrar pra uma criança ou adolescente que é preciso deixar isso tudo de lado para focar nos estudos é, realmente,  uma tarefa complicada.

Soma-se a isso o fato do bom exemplo: quantos pais quando estão em casa estudam, lêem livros, agem do modo que gostariam que os filhos agissem? Pais que mandam os filhos estudarem e dizem: “Na minha época era diferente… hoje não preciso mais estudar, mas você precisa…”. Tem hora pra parar de estudar? Tem hora pra parar de aprender? Se não for por gosto, que os pais estudem, pelo menos, para dar exemplo.

Como os filhos não sabem estudar, acabam se dedicando apenas na véspera das provas e testes. Estudar de véspera só funciona para tentar passar de ano; não ajuda nada a aprender e, muito menos, a tornar alguém mais inteligente. O aprendizado de curto prazo fica armazenado no hipocampo, uma região que fica no sistema límbico, no miolo do cérebro. Se queremos guardar algo por um longo tempo temos que fazer essa informação passar para o córtex, uma região mais externa. E essa passagem se dá com repetição, com fixação, com estudo diário. No hipocampo é onde guardamos as informações para a prova do dia seguinte e, passada a prova, e às vezes nem chegando a ela, perdemos essas informações. No córtex não, ali a informação é armazenada pra sempre.

Nosso cérebro contém mais de 100 bilhões de neurônios e é a ligação entre eles, as chamadas sinapses, o que o torna mais eficaz. Quanto mais ativo, quanto mais sinapses formarmos, mais aproveitamos o que já temos, de graça, dentro de nossas cabeças. E para a informação passar do hipocampo para o córtex é preciso construir essas estradas de neurônios que se unem através das sinapses.

Ativar essas células, é simples, basta utilizá-las. Células não utilizadas, morrem. Nosso organismo nos presenteia, diariamente, com novas células (neurogênese) e com a possibilidade de aumentarmos nossa inteligência. Para criarmos novas sinapses com essas novas células, precisamos sair da chamada zona de conforto, deixar de fazer o que é fácil e não dá trabalho. Ler e estudar as matérias dadas na escola todo dia, fazer os deveres de casa, aprender novos temas, aprender a tocar instrumentos, estudar línguas são algumas das atividades que, comprovadamente, criam novas sinapses. Para a transferência de região ocorrer, é preciso algumas pontes que serão construídas com freqüência e repetição.

Para nossos filhos serem mais inteligentes e não apenas colecionadores de diplomas, que hoje são “dados” em diversas instituições, sem nenhum critério sério, eles precisam estudar mais. Precisam aprender a usar mais suas cabeças. Precisam ter mais bons exemplos em casa. Desse modo o foco deixará de ser passar no Enem e passará a ser tornar nossos filhos mais inteligentes e, consequentemente, mais felizes. Para que isso aconteça, comece dando o exemplo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *